segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Pois é meu amor, já estamos aqui. Como é tão bom sentir a tua alma e o coração mais leve, a leveza da mente a pairar sobre o teu sorriso. É agradável esta emoção desde o ínicio de um novo caminho. Chamo-lhe novo, na minha lingua - outro, diferente. E tão dolorosa que foi, insensata mas vencida. É, meu querido, há mesmo um dia em que chega a liberdade, o dia D do coração. Nunca é quando queremos, é quando estamos preparados. E para conseguir é preciso ter vontade. Tu sabes que em tempos, eram tempestades e quando acordava sabia que era mais um dia negro. O que dura demasiado tempo é tão mais díficil de ser liberto, consome-te a alma. Despertava com a noção de que a força era escassa, assumia papel de líder e dizia sim ás esperanças. Passado.
Tu alimentas-me a minha esperança. Há outro tipo de amor. Constrói-se do pequeno e cresce, É como um muro, uma pedra forma-o, solidifica-o. O amor é um caminho a dois. Aprendi muito neste último ano, descobri que era bem mais feliz se vivesse este amor plenamente. Sei que há uma força que me encaminha para ti de uma forma incrível. E hoje quero transmitir-te o quão é bom ter pilares a não nos deixarem nos dias bons e maus, o quão é bom e não deixarmos a nossa existência perdida no ar porque achamos que não conseguimos. Sabes? O conseguir é uma questão de fé. O que ontem foi pesado hoje é leve, cor castanho-verde como os teus olhos. És o meu amor. Obrigado por me dares a conhecer este amor absoluto do tipo mais invencível. É para sempre!

1 comentário:

beatrizpereira disse...

lindo !
felicidades :)